Nas baixas temperaturas a atenção aos idosos deve ser redobrada

Baixas temperaturas – Com a chegada do frio é importante observar alguns cuidados com a saúde de idosos. Entre os principais riscos à saúde representados pelas baixas temperaturas estão: hipotermia – queda da temperatura corporal, imobilidade – ausência de movimentação, infecções – como gripe e pneumonias e dores crônicas – aumento das dores crônicas como artrites e artroses.
A hipotermia ocorre quando a temperatura corporal cai a menos de 36,8 graus. Abaixo de 29 graus causam risco eminente de morte. Seus sintomas mais comuns são fraqueza, fadiga e diminuição do tremor do frio. Em fases mais avançadas o idoso pode apresentar fala enrolada, perda de consciência e choque.
Em caso de hipotermia, os primeiros-socorros devem consistir em tirar o idoso do frio e retirar suas roupas úmidas ou molhadas. Envolver a vítima em mantas e agasalhos para aquecê-la enquanto chama a emergência, se a vítima estiver consciente, dê-lhe bebidas quentes como chás (não alcoólicas). Converse com a vítima mantendo-a sempre acordada e em caso de parada respiratória, realize manobras de ressuscitação cardiorrespiratória.
Confira 11 dicas para reduzir o impacto do frio na saúde de idosos:
1. Utilizar roupas e agasalhos adequados para proteção de ambientes ao ar livre e salas frias. Como bonés, toucas e mantas.
2. Tomar bebidas quentes como chás, chocolate, bem como ingerir sopas e caldos;
3. Banhos devem ser rápidos e em temperaturas amenas;
4. A hidratação da pele deverá ser recomendada sempre com uso de hidratantes tópicos para diminuir a sensação de pele seca;
5. Usar cobertores que retenham calor principalmente no período do sono quando há um declínio da temperatura corporal;
6. Tomar as vacinas contra gripe e pneumonias;
7. Buscar ajuda médica se o idoso apresentar sintomas de confusão mental e calafrios, ou dificuldades respiratórias;
8. Buscar realizar atividades indoor, isto é, passear em locais como shoppings centers, pois ajuda a quebrar o ciclo da imobilidade;
9. Fazer exercícios de alongamento com orientação de professores de educação física ou fisioterapeutas;
10. Reposição de vitamina D pela falta de exposição ao sol deve ser orientada por nutricionistas ou médico assistente. Outras fontes de obtenção do nutriente são peixes como atum, sardinha e salmão. Gema de ovos, bifes de fígado e cogumelos também são ricos em vitaminas.
11. Em locais com lareiras é importante ter cuidado com manipulação do fogo e intoxicação pelo monóxido de carbono devido a janelas fechadas.

O idoso ativo na sociedade e no mercado de trabalho

Direito dos Idosos – O idoso ativo na sociedade e no mercado de trabalho 

 

Em 2002, a OMS, Organização Mundial de Saúde, lançou o Marco Político do Envelhecimento. Em 2015, o Centro Internacional de Longevidade lançou uma publicação incorporando novos conceitos sobre o envelhecimento ativo, principalmente a questão dos direitos dos idosos e da resiliência.

Segundo o médico Alexandre Kalache, presidente do centro, o envelhecimento ativo é uma visão que garante às pessoas idosas uma participação continuada em questões sociais, econômicas, espirituais, culturais e cívicas.

O envelhecimento ativo é o que irá garantir a qualidade de vida após os 60 anos, e ele está diretamente relacionado à capacidade do indivíduo de manter a sua autonomia e independência.

Envelhecer no Brasil tem algumas particularidades, destaca o Ministério da Saúde, Segundo a entidade o envelhecimento é muito pessoal e influenciado por vários fatores. No entanto, é um processo com o qual não devemos nos preocupar apenas ao completar 60 anos de idade, mas ao longo de toda a vida.

Viver na fé – Idosos abraçam às religiões sem discriminação

Douglas de Souza                                                                                                                                               Jornalista

– A religião na velhice é sinônimo de consagração e de aprendizado espiritual. Independente da linha religiosa que o idoso segue ele tem mais facilidade para aceitar a diversidade religiosa do que os mais jovens. Seja ela: católica, espírita, espiritualista, judaica, islâmica ou evangélica.

– Os idosos demonstram através deste olhar acolhedor da “ ” que a “intolerância religiosa é uma demonstração de atraso cultural. Um preconceito inconcebível nos dias atuais. Para os idosos o preconceito é  uma doença contagiosa que desestrutura os lares, as relações sociais e contamina o ambiente de trabalho.

Segundo alguns estudiosos da fé humana, geralmente a “discriminação religiosa” está vinculada ao materialismo exacerbado, cultivado por alguns indivíduos que buscam sustentar-se através de riquezas matérias como: dinheiro, poder e status social. São pessoas infelizes portadoras de transtornos emocionais.

– O que diz a lei: ” (Com o crescimento da diversidade religiosa no Brasil é verificado um crescimento da discriminação religiosa, tendo sido criado o Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa (21 de janeiro) por meio da Lei nº 11.635, de 27 de dezembro de 2007, sancionada pelo presidente Luis Inácio Lula da Silva)

“Disque 100”

Denúncia o melhor caminho para combater a intolerância religiosa

Os idosos nos ensinam que o melhor caminho para combater a intolerância religiosa é: primeiramente, denunciar essas pessoas. O serviço federal para recebimento de denúncias de violações de direitos humanos, “Disque 100”, ampliou suas áreas de atuação para receber denúncias de injúria e racismo contra a população negra, violações contra comunidades quilombolas, contra população cigana, de intolerância religiosa e outras denúncias relacionadas a religiões de matriz africana. O serviço funciona 24 horas.

21 de janeiro como o Dia de luta contra a intolerância religiosa

O Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa remete a um dos mais marcantes casos de intolerância religiosa, ocorrido com a ialorixá Mãe Gilda, em Salvador. Ativista social de personalidade forte e grande participação em ações para a melhoria do bairro de Nova Brasília de Itapuã, teve a saúde fragilizada em decorrência de agressões morais ocasionadas por intolerância religiosa e veio a falecer em 21 de janeiro de 2000. Como forma de reconhecimento do trabalho da ialorixá, foi instituído, em 2007, o 21 de janeiro como o Dia de luta contra a intolerância religiosa.

Mundo Digital – Idosos mais conectados e independentes

 

Mundo Digital – Conversar pelo WhatsApp, postar fotos nas redes sociais e realizar uma chamada de vídeo para conversar com um parente distante. Essa é a nova rotina dos idosos do século XXI

Segundo a Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia, a inclusão digital na terceira idade, mais que necessária, é positiva para a saúde da população com mais de 60 anos.

O acesso aos dispositivos digitais estimula o cérebro e, nesse sentido, os ganhos cognitivos são vários. Há pesquisas que mostram benefícios para aspectos como memória e até depressão.

Na internet, o idoso interage e socializa mais. Isso faz bem para o comportamento dele, já que ele fica mais ativo e se integra à realidade de hoje, em que boa parte da rotina envolve tecnologia. No Brasil, cada vez aumenta o número de pessoas acima de 50 anos envolvidas com as novas tecnologias.

Segundo pesquisa divulgada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) em 2018, 19,7% da população idosa brasileira utiliza a internet — dez anos atrás, os usuários eram apenas 6,5%. O número de idosos dessa faixa etária que utiliza o celular também aumentou bastante: pulou de 15,2% em 2006 para 59,6% nos dias de hoje.

Os dispositivos trouxeram autonomia para os idosos que, muitas vezes, não gostam de ter que pedir ajuda para realizar tarefas do dia a dia. Só o fato de aprender algo novo, independentemente de ser no computador ou celular, já é um estímulo cognitivo para os idosos.

Boa Saúde – Cuidados com os idosos no Outono

-No outono os idosos estão entre os grupos que mais sofrem com as alterações climáticas, uma vez que o funcionamento de seu corpo/organismo já não é tão eficiente quanto o de um jovem. Nessa época do ano, as principais doenças que atingem os idosos são as respiratórias, que são causadas por vírus e alergias. Sem falar nas dores reumáticas, que tendem a aumentar nesses meses mais frios.

-Para driblar essas consequências do outono existem algumas práticas que, ao serem realizadas, diminuem, e muito, os riscos de sofrer nesta época do ano, são elas: Alimentar-se adequadamente; Beber bastante água; Praticar exercícios; Manter a casa sempre limpa e arejada; Evitar ambientes fechados, com aglomeração de pessoas; Evitar ficar perto de pessoas que fumem; Manter a higiene corporal e das mãos em dia.

-Além disso, o ideal também é sempre observar as inflamações das vias aéreas, como as faringites, laringites, sinusites, alergias, rinites e gripe. Ao perceber os sintomas das doenças comuns dessa época do ano, não se automedique, procure o serviço de saúde e investigue o seu caso.

Depressão em idosos – veja como prevenir

Depressão em idosos veja como prevenir – Segundo a Pesquisa Nacional de Saúde do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), pessoas entre 60 e 64 anos de idade representam a faixa etária com maior proporção (11%) de diagnóstico de depressão. E este índice só vem aumentando com o passar dos anos.

Os fatores que podem estar acarretando no aumento da incidência da depressão em idosos são: aposentadoria e a consequente sensação de inutilidade, falta de realização profissional, redução de renda e dificuldades financeiras, isolamentos sociais, incidência de outras doenças e a morte de amigos e familiares.

Como prevenir a depressão em idosos

Ainda que exista tratamento adequado para a depressão, prevenir sempre é a melhor opção. A melhor alternativa para evitar a doença, sem dúvidas, é incentivar os idosos à qualidade de vida generalizada, com uma rotina ativa e cultivar boas relações sociais.

Idosos devem ter acompanhamento de um fisioterapeuta

Idosos devem ter acompanhamento de um fisioterapeuta

Com a proximidade da terceira idade, é natural que o corpo se torne mais frágil e surjam algumas doenças consideradas graves como problemas cardíacos, dores musculares e nas articulações.

É justamente por isso que pessoas com mais de 60 anos devem ter acompanhamento de um fisioterapeuta. Nesses casos, além de tratamento, a especialidade também serve como prevenção de novos males, agregando qualidade de vida para o idoso.

Pelo processo de envelhecimento, ossos, tendões e músculos ficam mais frágeis. É normal. A fisioterapia preventiva pode evitar problemas ou atuar prevenindo sequelas, como após um AVC.

O tratamento fisioterápico ajuda, por exemplo, na correção de posturas viciosas, que dificultam as atividades diárias do idoso. Além de ajudar o paciente a recorrer menos ao uso de medicamentos.

A fisioterapia preventiva é uma alternativa para o exercício físico. Quando associada a outras terapias, como pilates e acupuntura, a fisioterapia ajuda no controle da insônia, da pressão arterial e até da depressão.

– Arte e Cuidar, atendimento integral equipe multiprofissional. Agende uma visita.

Idosos podem ser vacinados neste sábado

Idosos podem ser vacinados neste sábado

Amanhã (4/5) acontece em todo o país o dia D da campanha de vacinação contra a gripe. Em Curitiba, 25 unidades de saúde estarão abertas, das 8 às 17 horas para a vacinação.

Pode se vacinar contra a gripe quem faz parte do público prioritário definido pelo Ministério da Saúde: pessoas com 60 anos ou mais, gestantes, mães de bebês nascidos há até 45 dias, crianças entre 6 meses e menores de 6 anos, profissionais da saúde, pessoas com doenças crônicas ou outras condições clínicas especiais (que apresentem prescrição médica) e professores da rede pública e privada.

Além das vacinas, o Dia D conta com ampla divulgação sobre a gripe em si. Em cada estado, é possível que shoppings, estações de metrô e outros locais também ofereçam doses contra o vírus influenza.

Essa data especial é firmada bastante tempo antes do inverno – quando os casos da doença aumentam naturalmente – justamente para dar tempo de vacina surtir efeito.

Idosos necessitam ter ainda mais atenção com a hidratação

Pessoas com mais de 60 anos sofrem uma diminuição do número e da sensibilidade de receptores corporais que controlam a sede. Sem perceber, eles sentem menos vontade de beber água – mas o corpo continua necessitando de uma boa quantidade de líquidos par que todo o organismo funcione bem. Assim, os idosos acabam sendo mais suscetíveis à desidratação.

Essa alteração no organismo do idoso, faz parte do processo natural de envelhecimento; portanto, menor reserva hídrica. Mas há outro complicador: mesmo desidratados, eles não sentem vontade de tomar água; os seus mecanismos de equilíbrio interno não funcionam muito bem.

Segundo os especialistas na área da saúde, o consumo correto de água ajuda também a afastar problemas de constipação (intestino preso), uma das síndromes que mais atrapalham a saúde da terceira idade. O Ministério da Saúde sempre recomendou aos idosos a presença de alimentos com fibras nas refeições para que eles não sofram com a prisão de ventre. No entanto, é necessário ingerir fibras e água também. A recomendação da água vem junto, pois ela deve ser consumida ao longo de todo o dia para que o organismo funcione corretamente. Fazendo isso, a desidratação não aparece

Os benefícios da convivência dos idosos com os netos

Não é preciso muito esforço para notar como a interação entre netos e avós é positiva. Um estudo, feito pelo Boston College, nos Estados Unidos, comprova isso. Durante 19 anos foram estudados 374 avós e 356 netos. O objetivo era entender a influência dessa convivência, tanto na vida das crianças, como na dos idosos.

Os resultados revelam que os dois lados se beneficiam desse relacionamento. Para os avós, a conexão permite contato com uma geração muito mais nova e, consequentemente, uma abertura a novas ideias. Para os netos, os idosos oferecem a sabedoria adquirida durante a vida – e esse conhecimento acaba sendo incorporado pelas crianças quando elas se tornam adultas.
Os avós também costumam passar às novas gerações muitas histórias sobre o passado, o que é enriquecedor para qualquer criança. Além de tudo isso, os pesquisadores também concluíram que a relação avós-netos pode ajudar a diminuir vários sintomas de doenças para ambas as partes.

A convivência é muito benéfica para ambos, especialmente porque os avós estão, na maioria das vezes, em uma etapa da vida em que podem aproveitar os netos melhor do que aproveitaram os próprios filhos: levar para passear e brincar, para os avós, não é uma obrigação ou uma forma de gastar a energia da criança, mas uma oportunidade deliciosa de curtir o neto e se divertir de verdade com ele”, explica a psicóloga Rita Calegari.

× WhatsApp